Adrian Paci

Electric Blue

Adrian Paci (Albânia)
 
Electric Blue é a obra apresentada por Adrian Paci no Carpe Diem Arte e Pesquisa. Título apropriado de uma série televisiva erótica do canal jugoslavo, uma das poucas formas de diversão disponível durante o comunismo, o vídeo conta a história de um homem que tenta garantir a sobrevivência económica da sua familia no caótico estado de colapso em que mergulhava a Albânia nos anos 90. Um trabalho que vai muito além de um documento histórico. Adrian Paci fala das questões primordiais da humanidade, das falhas; do impacto da guerra e das rupturas sociais nos seres humanos; do desejo de fugir da pobreza; com amor, sexo e paixão. Em Eletric Blue, o artista cria imagens surpreendentes e impressionantes da condição humana, que ficam impressas na memória.
Este vídeo contém cenas de sexo explícito. Impróprio para menores de 16 anos.
 
Apoio: Istituto Italiano di Cultura, Galeria Graça Brandão, Galeria Kaufmann Repetto
 
 
 

Adrian Paci nasceu em Shkodër, Albânia, em 1969. De 1987 a 1991, frequentou a Akademia e Arteve em Tirana, na Albânia. Ele enseignou História de Arte e Estética em Shkodër de 1995 até 1997, quando deixou o seu país natal para Milão, escapando da violência da insurreição armada que assolou a Albânia naquele ano. A posição do Paci como exilado ocupa um lugar central na sua obra. O trabalho dele freqüentemente aborda as temas de separação geográfica, da nostalgia e da memória, e transmite um senso agudo da mutabilidade da vida e da arte.

Paci é conhecido principalmente por seu trabalho em performance e vídeo, embora explore temas semelhantes em pintura, fotografia e escultura. Caracterizado por uma fluida interação entre performance e body art, os seus vídeos freqüentemente se concentram na existência cotidiana e apresentam membros de sua própria família. No vídeo “Apparizione” (2001), por exemplo, a filha de Paci canta uma canção albanesa numa tela, enquanto os parentes dele em Albânia completam os versos inacabados na outra. Não obstante fisicamente separados na vida e na arte, a família se torna unificada através da tradição e de uma linguagem compartilhada.

Em vários de seus vídeos, Paci usa o seu corpo para criar declarações pungentes sobre a perda - seja rastejando pelo chão com um teto atado às costas (Home to Go, 2001), ou organizando o seu próprio funeral com a ajuda de um profissional pranteador (In Vajtojca, 2002). O seu trabalho centra-se na sua própria identidade e história pessoal, portanto envolve activamente o seu público, desafiando as percepções limitadas dos telespectadores da realidade.

Em 1999, Paci foi um dos primeiros artistas albaneses a representar o seu país na Bienal de Veneza. Em 2004 foi artista residente no Apexart em Nova York. Sua primeira grande exposição individual ocorreu no ano seguinte no MoMA PS1 em Nova York. Nesse mesmo ano, ele fez uma exposição individual no Moderna Museet em Estocolmo e seu trabalho foi apresentado novamente na Bienal de Veneza.

Em 2009, o seu trabalho apareceu na exposição de grupo The Storytellers no Museu Folkwang em Essen, na Alemanha. Desde 2003 é professor de artes visuais na Academia Carrara di Belle Arti em Bergamo e na Università IUAV em Veneza. Paci atualmente reside e trabalha em Milão.

Toggle collapsible region

desenvolvido por white imago