Heleno Bernardi

ENQUANTO FALO, AS HORAS PASSAM

Heleno Bernardi 

 

Funarte, Ministério da Cultura e Ministério das Relações Exteriores do Brasil, no âmbito do Ano Brasil Portugal, trazem para Lisboa o projeto ENQUANTO FALO, AS HORAS PASSAM, do artista brasileiro Heleno Bernardi. O trabalho tem como base uma instalação realizada com dezenas de colchões com a forma de figuras em posição fetal. Os corpos-colchão (como são chamados pelo artista) são agrupados e encaixados entre si, criando um campo de interação e acolhimento para o publico. 

A questão central da obra é o acolhimento e as relações entre abrigo e desabrigo, buscando colocar em perspectiva a relação do homem com o espaço urbano e criando um território de reflexão e trocas afetivas, culturais e sociais.

No Brasil, o trabalho tem sido apresentado desde 2009 e já ocupou espaços públicos e instituições culturais como: Museu Bispo do Rosário (RJ), Oi Futuro (BH e RJ), Sesc Pompeia (SP), Sesc Petrópolis (RJ), Centro Cultural Ação da Cidadania (RJ), Estação de trem Central do Brasil (RJ), Lagoa Rodrigo de Freitas (RJ), Cinelândia (RJ) e Praça Rui Barbosa (Nova Iguaçu).

 

HELENO BERNARDI, 45 anos, mineiro de Ouro Fino, vive no Rio de Janeiro. Realizou exposições individuais no Rio de Janeiro, Basel, Nice, Amsterdão, entre outras cidades. Publicou os livros “Apology of Socrates”, “Enquanto Falo, As Horas Passam” e “Truques de Autor – Um romance site-specific”. 

 

 

 

Toggle collapsible region

desenvolvido por white imago